Ainda que…

Ainda que murcha, uma flor Ainda que seco, um riacho Ainda que triste, um dia de sol: as coisas guardam em si a memória do que foram a semente do que podem a espera de um porvir. As coisas guardam saudade desejo e poesia: o meu quarto guarda a infância os seus braços guardam os […]

A outra parte da vida

Minha alma clama por liberdade. Anseia pelos sem-limites do céu. Deseja. Afirma. Minha alma me grita e me chama. Plena de raiva. Plena de encanto. Plena de amor. Eu, surda aos seus apelos, finco os pés onde parece seguro. Onde a vida parece encontrar seu doce repouso de morte. Onde meu coração sufoca. Porque parte […]

A vida

É outono e a vida se abre em primaveras secretas – brota-me uma flor do tamanho de um lago nasce-me uma borboleta cintilante vive-me um fio do sol. É outono e a vida faz um balanço: exige meus olhos – atentos, amantes – pede um pouco mais de mim – um rastro, um rastro. Se […]

Quebrou-se

Quebrou-se. Em público. Numa praça de alimentação lotada. Frieza no shopping: uma alegria vaga e indefinida perpassava a todos. Nem parecia real, mas era quase confortante: a leve crença de que, apesar dos pesares, consumir é possível e viver é quase crível. Até que ela se quebrou. Em público. Como que dizendo a verdade da […]

Era menina

Era menina e morreu cedo – largada ao relento. O sangue escorreu na calçada mas ninguém viu – só a lua só a lua só a lua. Era menina e quebrava vidros fumava pedra furtava ouro. Era menina e morreu cedo De canivete na mão dormindo ao deus-dará. Era menina e quem se importa? Era […]

Ao Senhor das Horas

Tu dizes, oh Senhor das Horas: “Faça-se, cumpra-se, pra ontem, pra ontem, pra ontem, pra ontem Guarde seu riso no oco da alma! Faça-se, cumpra-se: meu tempo é seu rei. Seja certeira, não deixe passar! Siga-me, venha-me, corra até mim Deixe para trás suas flores, seu chão Deixe de lado seu mar, suas letras Deixe […]

Cuidado de si

O cuidado de si como meta a ser cumprida. Devagar e com suavidade. Criando pequenos furos. Poros por onde a vida pode vir a passar. Fazendo cócegas – ah, a vida tem dessas coisas. Treme ali dentro: nos rasgos. Nos furos. No oco de nós. O cuidado de si como carinho a ser empreendido um […]

Profecia dos invisíveis

Ela me veio contando que a irmã morreu assassinada enquanto dormia ao relento num bairro distante. Ela me veio quase sorrindo. E se lembrando de mim. Ela: menina que era naqueles tempos. Menina ainda, cercada de porvires. Na mão esquerda, a mão da irmã. Pedia uma moeda, um agradinho de nada. Dizem que para tomar […]

Para ela

Eu quase ouvi a voz dela dizendo que tinha medo. Medo, medo, muito medo. Eu quase ouvi a voz dela arranhando minha alma. E combinei com a minha – vozes sufocadas. Vozes de quem um dia sonhou. Vozes de quem não tem pressa de acordar. De quem aos poucos passou a temer o sol e […]