Episódica

Ícaro, Há anos que não lhe escrevo. Talvez séculos. Hoje durmo ao lado de um homem que me faz feliz – logo eu, veja só, que tenho esse medo danado da felicidade. Eu procuro, Ícaro, o caminho das pedras, ainda que diante de mim exista uma longa e mansa estrada margeada por flores. E nuvens […]

sua infância

Amor, A ideia da sua infância é meu alento. Você correndo atrás de patos querendo capturar estrelas. Sua maneira de inventar nas caixas vazias as brincadeiras mais plenas. Seus cabelos, seus passos, suas corridas. Toda a delicadeza que o construiu menino para sempre e ainda hoje. A minha infância, meu amor, perdi em algum bolso […]

Ilógica

A lógica, meu bem, nem sempre me cabe. Neste exato instante olho ao meu redor e vejo a vida quase como ela é – ou como a razão sempre me ensinou que ela deveria ser: vasta, repleta de injustiças, inevitavelmente dolorosa, permeada por momentos de paz, um tanto quanto irônica, decepcionante e surpreendente. Sinto-me, afinal, […]

Culpa

Minha querida e sábia Fernanda, Sabe que essa coisa de desaprender dói como se fosse matar? E o pior – o pior de tudo – é que não mata. E, deixando-nos vivos, faz com que precisemos juntar os pedacinhos de um espelho infinito que nunca mais refletirá o mesmo rosto. A culpa, meu bem: a […]

do dragão pálido da bondade

Querida Fernanda,   Tenho sentido falta de lhe escrever. Lembro-me da sinceridade com que me colocava nas cartas secretas – não sei se conseguirei fazer o mesmo em cartas abertas. Mas vale – sempre vale – a tentativa. Até porque, a graça de escrever cartas está nisso: sem querer, desfazemo-nos das amarras e conseguimos dizer […]

Desadoecer

Desadoecer. Foi o que ele me pediu para fazer. Mansinho. Era uma quinta-feira e já passavam das vinte horas. Mas eu ainda não havia me despedido do dia-a-dia seco e maçante. Eu ainda não havia me despedido da dor. Difícil explicar, mas as oito horas diárias por vezes tomam conta de todas as vísceras. De […]

Incurável

Escrevo para curar. Mas não cura. Insisto na luta. E faço luto de mim. Morri e morri e morri e morri tantas vezes. E sigo pedindo perdão por ter morrido. Como se pudesse evitar. Como se fosse escolha. A crença no absoluto da escolha é um mal tão perigoso, mas tão perigoso, que nos mata […]

Fora de si

Você não consegue sair de si. Nem por um minuto. A voz alucinada – insistindo para que você faça – parece vir de fora. Mas nasce bem no antigamente que você guarda nas vísceras. Bem naquele primeiro dia em que você pensou que teria que dar conta de todas as contas do mundo. O primeiro […]

Deusa

Amanheci nos restos de poesia do ano que passou. A aridez deixa vestígios: tanto que hoje minha pele finalmente completa trinta anos de idade e eu não sou mais menina. Estranho. Era para que eu sossegasse, enfim: mas a paz não existe. O desejo é a maior potência do mundo e eu não me canso […]